Domingo, 19 de Fevereiro de 2012

LATIDOS POÉTICOS

 

Na escrita do deve e haver

Entre forte e fracos,

Os fortes têm casa de poder

Os fracos criados de quartos!

Entre senhorios e inquilinos

Há sempre as questões:

Serem os senhores uns cretinos

A imporem as condições!

Quando os fracos vão à justiça,

Buscando da moral o norte,

Depois de muita liça

Quem vence é o mais forte!

Quem senhores anda a servir

E algum poder deles toma,

Acaba por casa de poder construir

E senhor também se torna!

Os fracos reivindicam direitos

Mas os fortes impõem tortos,

Após guerras e pleitos

Milhões de fracos são mortos!

E a poesia?

Que faz a poesia na vida?

 

 

A poesia nunca governou vida

Nem governos soube governar,

A poesia é canção de fracos, ” latida”

À caravana do poder a passar!

 

Nunca se soube de governos de poetas!

Embora governos tenham alguns,

Mas, decretos publicados em poemas

Nunca se soube de nenhuns!

 

Como mera opinião,

De tudo o que na vida vi,

Tenho como conclusão:

Que quem anda a servir outros,

Deve aprender,

Rapidamente ou aos poucos,

A ser senhor de si!

 

Não adianta ao deus dos fracos rezar

Para ter sorte de se tornar mais forte,

Pois são os fortes que fazem o altar

Onde os fracos os vão adorar!

 

 

O fraco esquece

Que o poder não está em quem manda,

Mas sim em quem obedece,

E se não obedecer a quem manda

A roda ao contrário desanda!

Depois, novamente,

Os fracos reivindicarão direitos,

Os fortes imporão tortos!

Assim sempre será

Enquanto houver gente;

Fracos a obedecer,

Fortes a mandar

A mandarem fazer grande altar

Para os fracos os adorar!

 

Eu era para falar de esperança,

Mas a esperança está em coma

E poesia não é coisa que se coma!

 

Por tudo que já vi,

Quem não quer ser doutros

Tem que ser senhor de si!

 

Quem anda sempre mandado

De mandado não é cansado!

 

Os fracos reivindicam direitos!

Os fortes impõem tortos!

 

Nunca se soube de governos de poetas!

Embora governos tenham alguns,

Mas, decretos publicados em poemas

Nunca se soube de nenhuns!

 

Por tudo que já vi,

Quem não quer ser doutros

Tem que ser senhor de si!

 

………………..xxxxxxxxxxxxx………………..

Autor: Silvino Taveira Machado Figueiredo

(o Figas de Saint Pierre de Lá-Buraque)

Gondomar

publicado por figas às 23:39
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Redução do défice

. Copos e mulheres

. PROCESSO DOS VISTOS

. Quando fores pai.

. Foto de "Poesia de Dentro...

. LEVA-ME

. POEMA DO NADA

. A NAU "ESPERANÇA" VOLTARÁ...

. Vem Diógenes.

. Lugar dos beijos

.arquivos

. Março 2017

. Maio 2015

. Abril 2015

. Novembro 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Junho 2009

. Março 2008

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds