Segunda-feira, 26 de Março de 2012

EM BUSCA DE AURORAS

Sexta-feira, 11 de Fevereiro de 2011

EM BUSCA DAS AURORAS

 

José González Collado

EM BUSCA DAS AURORAS

Um poeta é um pescador de estrelas.
Caçador de luares.
Faz emboscadas às auroras.
Funde-se nos sóis poentes
E é onde em todos os mares.

Nele o sonho dorme acordado!

O poeta é o autor da letra de todo o fado!

Lavrador que lavra em terrenos de desespero
e de dor
Para semear poemas de esperança e de amor,
Que dele esperam, a todas as horas.

Por isso,
É que um poeta é pescador de estrelas,
Um caçador de luares
que faz emboscadas às auroras!..

 

Autor:Silvino Figueiredo

17 Novembro 2005

in progressogondomar.com

Publicada por Galeria Vieira Portuense em 10:42

Etiquetas: http://josegonzalescollado.blogspot.com/, SILVINO FIGUEIREDO (O Figas)

publicado por figas às 22:26
link do post | comentar | favorito

Um deixa andar

Sexta-feira, 11 de Fevereiro de 2011

UM DEIXA ANDAR

 

Victor da Silva Barros

UM DEIXA ANDAR

Fogo por todo mundo,
água por toda a terra,
vidas no fogo a queimar
ou na água a navegar!

Os deuses,
esses estão-se a guerrear
ou a passar férias;
num deixa andar!

Silvino Figueiredo

Publicada por Galeria Vieira Portuense em 09:56

Etiquetas: SILVINO FIGUEIREDO (O Figas), Victor da Silva Barros

publicado por figas às 22:25
link do post | comentar | favorito

Tu não sabes o valor que tens!

Terça-feira, 8 de Fevereiro de 2011

TU NÃO SABES O VALOR QUE TENS!

 

José González Collado

 

TU NÃO SABES O VALOR QUE TENS!

Tu não sabes o valor que tens,
mas eles sabem, e tu sabes quem!
Eles sabem que tens bons braços e
boas mãos!

Tu não sabes o valor que tens,
mas eles sabem, e tu sabes quem!
Eles sabem que tens bom lombo;
(quanto mais largo melhor!)

Tu não sabes o valor que tens,
mas eles sabem, e tu sabes quem!
Eles sabem que tens boas pernas e pés!
Tudo isso eles sabem!
Usam-te para construírem um novo
mundo velho!

Tu não sabes o valor que tens,
mas eles sabem, e tu sabes quem!
Eles só vêem teus braços, tuas mãos,
tuas costas (quanto mais largas melhor)
tuas pernas e pés!
Fazem de ti um número,
um aparelho,
só isso lhes interessa!

Por mais evidente que seja,
por mais evidente que pareça,
eles não vêem nem contam com
a tua cabeça!
A tua cabeça não lhes interessa!

Tu não sabes o valor que tens, mas
bom seria que aprendesses a
não mostrares teus braços, tuas mãos,
tuas costas, pernas e pés, mas sim,
antes, mostrares, primeiro, o que és:
Mulher ou Homem, que outros não comem!

 

Autor: Silvino Figueiredo

Lido pelo autor  e Eduardo Roseira

Publicada por Galeria Vieira Portuense

SILVINO FIGUEIREDO (O Figas)

publicado por figas às 22:24
link do post | comentar | favorito

Por que tempo novo chamais?

Quinta-feira, 3 de Fevereiro de 2011

POR QUE TEMPO NOVO CHAMAIS?

 

Victor Silva Barros

POR QUE TEMPO NOVO CHAMAIS?

Por que chamais ano novo
ao tempo que é tão velho,
como tão velho é o fogo
e a água fazer de espelho?

O tempo por nós não passa,
nós é que por ele passamos
e nele deixamos marca
no tempo que lhe gastamos!

Mas se, como diz alguém,
o tempo tem sua idade,
então, meditando bem;
Lar da Terceira idade
é a Terra, na idade que tem,
a rodar na eternidade!

Mas, pergunto eu, de novo:
porquê
chamar novo ao velho,
se tão velho como fogo
e a água como espelho?

É que tempo não tem tempo,
porque tempo não nasceu,
mas sabemos todo o tempo
que cada um tempo viveu!

Silvino Figueiredo

Publicada por Galeria Vieira Portuense

Etiquetas: SILVINO FIGUEIREDO (O Figas),

publicado por figas às 22:23
link do post | comentar | favorito

Quadros Collados

Sexta-feira, 25 de Março de 2011

Quadros Collados

 

Quadros Collados

Pedras vieram de pedreiras,
Vítimas de tiros,
Estilhaçadas em blocos,
Sofreram retoques
Foram aparelhadas,
Em paredes montadas,
Paredes nuas, amarelecidas,
Cinzentas!

Felizmente que pinturas,
Em quadros imponentes,
Retratam populares figuras,
Que cobrem a nudez das pedras
Para ouvirem Poesia na Galeria Portuense,
E assim,
Quadros Collados nas paredes dependuradas,
E versos por poetas cantados,
Justificam a vinda à Galeria de Pintura, aos Sábados,
Para ouvir poesias
E ver as pedras despidas,
Mas cobertas com Collados pinturas
E felizes de assim se verem vestidas!

.......................xxxxxxxxxxxx.....................
Autor: Silvino Taveira Machado Figueiredo
(o figas de saint pierre de lá-buraque)
Gondomar
(nota: feito durante a sessão se poesia, na Galeria Vieira Portuense,
dia 19/03/2011 e oferecido ao pintor González Collado)

publicado por figas às 22:22
link do post | comentar | favorito

Fundição do amor

Sábado, 30 de Abril de 2011

FUNDIÇÃO DO AMOR

 

FUNDIÇÃO DO AMOR

 

Muitas gotas d’àgua fazem chuva,

muitos grãos d’areia são desertos,

abraços e beijos fazem amores,

que ficam muito mais perto!

 

O amor tudo amarra,

quem o tem fica amarrado,

é navio, que não sai da barra,

que navega mesmo parado!

 

Amor é orvalho da manhã,

são raios do luar,

são beijos que o amor nos dá

de manhã até ao deitar!

 

O amor guia nossos passos,

para satisfazer de desejos,

de a alguém dar muitos beijos

e cair nos seus braços!

 

Mas o amor,

o amor real,

o perdido, o fatal,

o de doces gritos e ais,

é quando dois amores se unem

e se fundem, com amor,

em muitos mais!

Autor: Silvino Figueiredo

(o figas de Saint Pierre de Lá-Buraque)

 

Etiquetas: SILVINO FIGUEIREDO (O Figas)

publicado por figas às 22:20
link do post | comentar | favorito

Andando por aí

 

Sábado, 30 de Abril de 2011

ANDANDO POR AÍ

 

Quando saio por aí, encontramo-nos!

Eu podia ser um de vós,

podia ser tudo o que não sou

a caminho do que serei.

Quando saio por aí não levo espelho,

vejo mundo que do mundo ri

sem em seu olho ver chavelho!

Quando saiu por aí vejo quem sofre,

quem chora, quem ama!

vejo corpos ricos, mas pobres d’alma!

 

Quando ando por aí ver o mundo bem tento,

quase que de tudo já vi,

só me falta ver por dentro!

Autor ( figas de Saint Pierre de Lá-Buraque)

Publicada por Galeria Vieira Portuense em 08:56

Etiquetas: SILVINO FIGUEIREDO (O Figas)

publicado por figas às 22:19
link do post | comentar | favorito

Sou pavão

Sábado, 30 de Abril de 2011

SOU PAVÃO

 

Sou um pavão, gosto de me pavonear,

sei andar pelo chão, mas também sei voar!

Há quem me queira imitar,

mas belas penas não tem!

quando as quer mostrar

causa penas a alguém!

Eu não! Sou um belo pavão!

Quem não

que se reduza à sua pobre condição,

nunca me pode imitar!

Eu ando pelo chão,

mas também sei voar!

………….xxxxxxxx………..

(Inspirado num pavão do Palácio, no Porto)

Autor: Silvino Figueiredo

(o figas de Saint Pierre de Lá-Buraque)

Publicada por Galeria Vieira Portuense em 08:51

Etiquetas: SILVINO FIGUEIREDO (O Figas)

publicado por figas às 22:18
link do post | comentar | favorito

Morara em ti

MORAR EM TI

 

MORAR EM TI

 

No silêncio da tua ausência

tu estás sempre presente,

amor é doce demência

que invade a minha mente!

 

A mente guia o corpo

na busca d’amor eterno,

sem mente um corpo é morto,

sem amor é um enfermo!

 

Minha mente não está aqui,

mas, embora daqui ausente

está sempre a morar em ti!

 

Quando do encontro for hora,

parecerá que sempre em ti estive

e nunca de ti fora!

 

Autor: Silvino Figueiredo

(o figas de Saint Pierre de Lá-Buraque)

Publicada por Galeria Vieira Portuense em 10:17

Etiquetas: SILVINO FIGUEIREDO (O Figas)

publicado por figas às 22:12
link do post | comentar | favorito

Pedaços de nós

Quinta-feira, 28 de Abril de 2011

PEDAÇOS DE NÓS

 

PEDAÇOS DE NÓS

É neste rasgar de nós

Que em pedaços nos vamos rasgando,

Pedaços espalhados no tempo,

Que por nós vai passando!

 

Pedaços de nós!  Pedaços duma redacção,

Que alguém em nós escreveu

E vão ficando espalhados pelo chão

Sem os ninguém ver;

Pedaços da nossa identidade,

dos nossos rasgados passos

A caminho da incerteza da verdade

Com indefinidos traços!

 

De tanto nos rasgar,

A todo o momento,

De tantos pedaços espalharmos!

Nunca aditaremos um livro da nossa vida

….. a tempo!

 

Ficarão só pedaços de nós,

Que andarão por aí

Arrastados por ventos,

Que lavarão nossa voz,

Correndo como rio em busca da foz!

 

Silvino Figueiredo

(o figas de Saint Pierre de Lá-Buraque)

Publicada por Galeria Vieira Portuense

Etiquetas: SILVINO FIGUEIREDO (O Figas)

Sexta-feira, 29 de Abril de 2011

publicado por figas às 22:10
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Redução do défice

. Copos e mulheres

. PROCESSO DOS VISTOS

. Quando fores pai.

. Foto de "Poesia de Dentro...

. LEVA-ME

. POEMA DO NADA

. A NAU "ESPERANÇA" VOLTARÁ...

. Vem Diógenes.

. Lugar dos beijos

.arquivos

. Março 2017

. Maio 2015

. Abril 2015

. Novembro 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Junho 2009

. Março 2008

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds